Musica Italiana

Torna a Surriento

( Canta: Claudio Villa )
( Autores: E. De Curtis - G. B. De Curtis - 1902 )

Original em dialeto napolitano Tradução

Vide 'o mare quant'è bello,
spira tanto sentimento,
comme tu, a chi tiene mente,
ca scetato 'o faje sunná.

Guarda quá' chisti ciardine,
siente sié' sti sciure 'arancio,
nu prufumo accussí fino
dint''o core se ne va.

E tu dici: "Parto, addio!"
T'alluntane da stu core.
Da la terra de ll'ammore,
tiene 'o core 'e nun turná?

Ma nun mme lassá,
nun darme stu turmiento.
Torna a Surriento!
Famme campá!


Vide 'o mare de Surriento
che tesoro tene 'nfunno.
Chi ha girato tutt''o munno,
nun ll'ha visto comm'a ccá!

Guarda attuorno a sti Ssirene,
ca te guardano 'ncantate
e te vònno tantu bene.
Te vulessero vasá.

E tu dici: "Parto, addio!"
T'alluntane da stu core.
Da la terra de ll'ammore,
tiene 'o core 'e nun turná?

Ma nun mme lassá,
nun darme stu turmiento.
Torna a Surriento!
Famme campá!



Veja o mar o quanto é belo,
inspira tanto sentimento,
como você, quem tem em mente,
acordado, o faz sonhar.

Olha só esses jardins,
sinta, sinta essas flores de laranja,
um perfume assim delicado
toca fundo o coração.

E você diz: "Eu parto, adeus!"
Se afasta deste coração.
Para a terra do amor,
tem coragem de não voltar?

Mas não me deixe,
não dê-me este tormento.
Volte a Sorrento!
Deixe-me viver!


Olha o mar de Sorrento
que tesouros tem no fundo.
Quem girou por todo o mundo,
nunca viu como os daqui!

Olhe em volta estas Sereias,
que te olham encantadas
e te querem tanto bem.
Queriam te beijar.

E você diz: "Eu parto, adeus!"
Se afasta deste coração.
Para a terra do amor,
tem coragem de não voltar?

Mas não me deixe,
não dê-me este tormento.
Volte a Sorrento!
Deixe-me viver!